A dragon for homework

dragon

 

The setting here involves a large apartment in a vertical condo facing a calm ocean bay in Flowertown.

Birgit, nine years old, read a story in school about a family of dragons and, as a home assignment, she had to write an imaginary dialogue with the youngest and friendliest dragon of the family. At least, according to the story and its radiant illustrations, he was adorable. She wrote about how much she would like meeting him—she thought offensive to use the pronoun it for that sunny character. She started her composition by asking the creature what would make him very happy. His likely answer—placing herself in the dragon’ s place—was that eating a large pizza with rich chocolate borders after frolicking in a swimming pool filled to the brim balls with the colors of the rainbow would make him the happiest of all living dragons. Then, as she wanted to finish the school task, she closed her dialogue with an invitation to the dragon to visit her home.

The girl went to sleep. Her sister, Eill, was already asleep in the twin bed by the window.

At the break of dawn, Birgit figured that Bella, the family puppy elkhound, might not have water. So, she went to the balcony to check. Bella had plenty to drink and to eat.

She extended her eyes to the bay in front, bathed by moonlight. Then something panicked her. She envisaged a green rock at the top of the small cement wall that set the limit between shoreline and sidewalk, which was free of the usual joggers and walkers.

The moving green rock that started crossing the highway bewitched the girl. There were no trucks or cars: the traffic light must have been red, she thought.

As the greenish boulder moved closer to view, the girl realized it was not a rock! It could be a dragon. And it seemed to be coming towards her apartment building! She felt a relief for she lived on the 10th floor.

Her sister Eill came to the balcony to know what was happening: she had heard Birgit’s sighs and crying. Birgit told her tolook carefully at the moving rock. Eill then understood her sister’s tears, sighs, and fear because the unhurried stone was that dragon Brigit had invited to their home in the school assignment. It could not be for real! Homework was nothing but something one had to do with a school obligation and getting a grade.

Birgit was puzzled because it was—her own words—a stupid dialogue she had written for a dummy character of a silly story. Nobody had read it yet. Her homeroom teacher would get it the next day. How come such made up conversation had reached the small dragon’s ears?

The girl did not know what to do. Eill teased her sister with a weighty statement, “Once you have invited him, the creature is your sole responsibility“. She had to keep her word. The two girls took the elevator and went down to meet the dragon.

However, they stopped at the lobby. The noise from the four-lane-avenue became too intense for such an early hour. Mr. Wilson, the doorperson, told them not to go outside for there had been a hit-and-run accident with a victim. Birgit fainted. Eill asked him for details. His depiction was ghastly: the ambulance, which by pure luck was near, started collecting the victim’s pieces but stopped it all at once. The paramedics decided to call Flowertown’s Animal Protection Department to determine what to do with the remains of the trampled-over creature. The FAPD was at the scene of the crime—Mr. Wilson’s words—to decide. Birgit had recovered though she could not stop crying. He promised the girls he would go outside to bring them fresh news, not before asking them to call their parents. It was only six-fifteen. The sisters, though, did not want them there.

Less than ten minutes went by. All of a sudden, Mr. Wilson enters the lobby as if he had to run for his life. Mrs. Sombor, the gardener, came with a pitcher filled with water: half of it to wake Birgit from her blackout; the other halfto sprinkle Mr. Wilson’s face to prevent his collapse.

When both had gone back to their feet, Mr. Wilson eventually spoke, “Flowertown will make the CNN today! You cannot, not even in your wildest dreams, imagine the story behind the bits and pieces of that victim. I will tell you! It was not a person or a dog. It was something like a big fat lizard, though almost tailless. The guy from FAPD would send its remains to the United States to check on its possible species. The man believed it either had come from outer space or it constituted a specimen that had survived extinction and deserved serious investigation. He said it might be a member of the dinosaur family! God bless our souls! Who knows? The changes of weather in our world might bring strange things to our lives. Imagine, next a fire-breathing dragon is inhabiting our beach! The end is near, I tell you…”

Birgit, very cautiously, dared to ask, “ By any means, is there a possibility of the trampled over creature be a baby dragon ?”

Mr. Wilson sat on a padded chair. He scratched his bushy eyebrows and then his large ears. He looked through the crystal ornaments hanging from the chandelier and was about to say something. The girls waited for an answer. Mrs. Sombor stared at the man on the chair. She took her cell phone and hit some keys. In a hurry, she walked the girls to the elevator and told them to stay inside their apartment for a long while

Birgit and Eill entered the living room. Not a sound there. Not even Bella was around. Their parents and the puppy were still asleep. Eill checked the time on her phone: it was six-ten.

 

Illustration by Mausilinda

Feridas cicatrizam, mesmo?

 

A história de Justina acontece no contexto dos anos 1950. As pessoas usavam o serviço de Correio, com funcionários a distribuir, nos devidos endereços, qualquer tipo de comunicação escrita.  E as pessoas trocavam suas muitíssimas cartas (de amor, amizade ou negócios), redigidas à mão ou em máquinas de escrever. Havia os telegramas para assuntos urgentes. Muitas casas possuíam telefones fixos destinados, basicamente, a horas de necessidade de contato rápido. Já se viajava de avião, mas, quem tivesse medo de voar, podia escolher as confortáveis cabines dos trens-leito ou de navios.

IMG_7924

 

Justina perdoara as traições do marido. Chorara demais a cada nova suspeita de mais uma aprontação do cônjuge. Sempre descobrira o essencial através de indícios que homens ignoravam: fotos caídas dentro de botas, roupas sumidas, perfume desconhecido, marcas sutis de batom , contas do telefone fixo, caixa de correio com cartões de hotéis a agradecer a preferência do Sr e Sra. Postreso. Lugares que Justina desconhecia, contudo, calava-se. Relevara por fora:  depositou no cofre da memória cada peça que se enquadrava nos quebra-cabeças das repetidas enrabichações de seu marido.

Sr. Postreso, décadas após esses arroubos de homem que se via irresistível, mostrava-se marido fiel e dedicado. Muitas vezes, tentava entender raivas repentinas da mulher. Especialmente, quando mencionava as viagens a negócios dos “ bons tempos”. Justina odiava tais comentários e silenciava, carrancuda. Tornara-se fria. Jamais iniciava qualquer aproximação mais chegada ao marido. E ele derretia-se, num crescendo, por ela.

Num abril, dia do aniversário de casamento, Sr. Postreso voltou de sua empresa mais cedo, abraçou a mulher com força, beijou-lhe a boca insensível e falou:

“Justina, meu amor, adivinha o que tenho aqui? Adivinha só? Duas passagens para Buenos Aires, com hotel Alvear e tudo a que tens direito! Assim, podemos reviver aqueles dias inesquecíveis…Lembras, amor?”

Justina livrou-se dos braços de polvo do marido. Soluços sacudiam-lhe o corpo. Hotel Alvear e dias encantados?  Quando?

Marido jurava que vivia, apenas com ela, plena felicidade. Justina trancou-se no quarto e sapateou sobre si mesma. Lavou o rosto. Passou um blush suave nas faces e acentuou, com rímel, seus cílios claros. Retirou os valores do cofre e jogou-os em sua bolsa. Passou por Postreso e arrancou-lhe das mãos as passagens com destino a sua liberdade tardia. Nem deu tempo de o homem falar qualquer coisa. Do sofá, Postreso ouviu o carro arrancar e tomar a estrada.

Agora, sim, pensava Justina, suas feridas iniciavam processo de cicatrização. Ligou o rádio do carro e,  em volume máximo, um tango de Piazzola inflava o ambiente. Sabia que poderia conviver com as marcas das feridas. Lamentava ter fingido ser quem não era por mais de vinte anos. Por que escondera dele os machucados infectados que causava com suas escapadas? Libertava-se! E o tango era a música que a transportava ao futuro. Depois era, isso mesmo, depois: importava o agora. Depois é depois, pronto.

Iria conhecer aquele hotel …

 

Foto by Mausilinda.

Vozes e Assobios

Chuva lá fora.

Calor , agora.

IMG_7720

 

Chuva lá fora.

Calor dentro, agora.

Atrás do portão,

Lá no fundo da casa,

Uma sopa,

E Vovó, Vovô

E Inda

E minha irmã ao redor da mesa,

na cozinha.

Fogão à lenha nos alenta

E pinta de vapor as vidraças.

 

Paro pertinho da pia.

E  sonho vibra

Pela pele.

Sinto  falta da mesa

–Hoje tão vazia das vozes–

Da sopa gostosa

Com temperos do quintal

E daquela ária do Guarani

Num assobio.

Aqueço-me

Nos pingos da chuva.

 

Vozes,

Sopa e assobios

Persistem, porém.

Estão ali,

Atrás daquele portão:

Imortais na memória

Dos companheiros

De sopa, temperos e assobios.

 

Photo by Mausilinda.

VIDA

manjericão, salsa e cebolinha copy

Pelos cantos , luscofusco vigia.
Pelas contascolar desfia.

 
Pá de torta
Corta fatia
De falta de ar.
 
Pelas mesas, poente
Penteia migalha.
Mergulha agulha.
Luta contra luto:
Pão de sobrevivência.
 
Vida nossa para:
Sobra de sombras
Debulha milhos
e entope bueiros.

E, pelos cantos , lusco-fusco vigia .
Pelas contas, colar desfia.

Por que parar?

Vida segue:
Janela se abre.
Aspirador suga mofo,
Engole luto.

Agulha junta contas
E colar não desfia.

Lusco-fusco banha-se
Na luz das cortinas.
Dançam , na brisa,
Cebolinha, salsa e alecrim.
 

Photo by Mausilinda 

ALL SAINTS’ Eve

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Halloween stirs soulless corpses:

Lamps they bear to

set paths free;

Ghouls wander near a sassafras tree.

The shadow of Death

—a stench so gross—

Haunts the spun yarn of grayish moss.

It shrouds a stranded row of crosses,

While pumpkin heads stomp their torches.

Across crossed out losses.

 

Jack o’ Lantern slumbers.

A lark sings as Magic sinks.

All Saints with hallows surge.

Ghouls purge their yearly sins.

Then drop off behind a church.

 

Behold, this time next year,

Get ready for the same fear…

 

Photo by Mausilinda.

FAXINA DA RAIVA

faxina remodelada 2

 

Casamento desmoronara há um mês. Ou seria, uma semana? Vassoura golpeava assoalho. Destruía teias de aranha gordas cuja existência ignorara em tempos de felicidade. Algumas, ali, misturando-se a seus cabelos. Como não as percebera? E, dele que te dele, vassouradas.
Em meio à bruma de poeira, recordava. Tulipas e amarílis vermelhas, ao sair do trabalho de professora, à noite, pelo Dia dos Namorados… E, assim, desconfiou que seu marido, o Jolmar, tinha outra mulher no pedaço. Suspeita transforma-se em certeza com a pergunta da amiga–“Gostaste das flores vermelhas e fresquinhas que, ontem, teu marido comprou para ti, pelo Dia dos Namorados?”–a respeito do orvalhado  ramalhete com o qual ela vira Jol—seu apelido—pelas oito da manhã de muito frio.
Iniciou o trabalho de juntar peças esquecidas do quebra-cabeça. Lembrou de como fora idiota ao limpar o carro e encontrar notinhas de supermercado com registros de compras de artigos que nunca vira em sua casa. Acreditara—que ódio!—na explicação do safado: comprara aqueles produtos para bebês,coisas como Nestogeno, fraldas, lenços umedecidos, todos para a coitadinha funcionária de limpeza da firma que ficara viúva e com duas criancinhas para sustentar. Mais fúria ainda, quando recordou do beijo que depositou, comovida, nos lábios—que nojo—do mulherengo.
E passava por sua cabeça a novela barata daquela tarde em que conseguira forçar uma amiga do salafra a dar-lhe a ficha completa da fulana, inclusive telefone e endereço. A informante, com dó da traída—ou querendo assistir ao barraco total—levou-a, em seu carro, até à comunidade em que a outra vivia. Encontrou-a de botas de verniz com cano alto, meia arrastão e macacãozinho de lycra, escorada à porta da boate Desperados ( só esses teriam coragem de entrar naquela espelunca), acertando preço de programa com alguém bem parecido com o compadre de Jolmar.

Era , olhando bem, o próprio: pai de três menininhas e marido modelo—conforme descrições melosas de sua comadre. Fez, por isso, questão de cumprimentá-lo.
A dançarina virou estátua , quando a traída arregaçou as mangas e iniciou a gritar um elenco de palavras nada elogiosas, dirigidas à mulher-dama. A informante precisou conter sua amiga, pronta para usar o ancinho encostado à cerca de arame farpado, pertinho do fusca.

Tudo terminara , ali. Jolmar tentou passar-lhe a conversa vazia e doce de repugnar, comum dos traidores: não tinha culpa, a fulana da boate insinuara-se para ele; fora naquela balada para acompanhar seu chefe; nada acontecera, além de…um beijo; nada havia entre ele e a tal dançarina das meias arrastão; somente tinha olhos e coração para ela, sua amada esposa.

Bufava de ira e nojo. Precisava limpar tudo. Finalmente, chegou aos estofados da salinha. Aí empunhou a vassoura e espantou deles marcas do homem que ali deitara, ou sentara, por tanto tempo. Bateu e bateu e bateu até perder o fôlego.

Os móveis choravam poeira, quando a moça recobrou a raiva e retomou os açoites.

Cansada, sentou-se, por uns momentos, no banquinho sobre o qual o fulaninho escorava seus pés descalços tomados de frieiras, cujo odor nunca a incomodara antes. Apaixonada a ponto de anular até mesmo o próprio olfato. Chegara até a lavá-los e a tratar suas feridas purulentas.

Como fora cega! Aguçou-se, novamente, sua gana de limpar sua casa e sua vida. Lá veio a vassoura outra vez. Tirara as cortinas para lavar. Quem sabe, melhor seria tê-las jogado no lixo ou queimado na churrasqueira: cheiravam a cigarro. Dele, claro.
Com a palha da vassoura penteou as sanefas largas e fundas. Serviço quase concluído, subiu no tal banquinho para confirmar a eficiência da varredura no porta-cortina de madeira. Só mais aquele cantinho da esquerda. Eis que as tramas de piaçava provocam uma chuva de Jontex coloridas, musicais e com texturas especiais que , raivosamente, atapetam parte da sala.
Examinou-as: o cafajeste , provavelmente, comprara tudo na viagem a negócios que fizera a Rivera. “Negócios, sim, conta outra”, falava enquanto juntava os preservativos. Nos últimos tempos, naquelas conversas DR, Jol confidenciara-lhe que o cardiologista o havia proibido de ter relações íntimas porque logo estaria na mesa de cirurgia para pontes de safena e, talvez, um transplante. E ela chorara tanto em seu ombro e, depois, no seu travesseiro cheio de insônia… Acreditara.
Colocou as Jontex em várias sacolinhas coloridas . Lavou as mãos com sabão amarelo e, depois, álcool. Ligou o computador e a impressora e, então, sorrindo , digitou anúncios. Recortou-os com a tesoura de picotar. Preparou uma espécie de kit: caixa com tachinhas, saquinhos de sacolé com três camisinhas em cada, vinte anúncios de prestação de serviços privé. Tirou o carro da garagem apertada e , decidida, pregou os kits em lugares estratégicos: saída de fabriquetas, paradas de ônibus, estações do metrô, entrada de bares duvidosos.
Voltou para casa e ria muito ao imaginar a cara da fulaninha ao receber tais telefonemas para marcar programas. Era óbvio que, com aqueles dados apelativos para a gatona manhosa e mais as três camisinhas estratégicas, os bobocas de plantão enlouqueceriam para tentar sua vez com a dançarina de poste.

A raiva passara e, em sua casa, perfumada de flores e ramos de eucalipto, deliciava-se com a novela da nove, uma Coca-Cola geladinha e um pedaço de pizza.

 

Qualquer semelhança com fatos reais é  mera coincidencia .

Ilustração by Mausilinda.

Fogo arrasa tudo

Baile da Neves final

O contexto da narrativa a seguir situa-se na longínqua década de 1950, em uma cidade no sul do Brasil. Telefones eram poucos. Apitos de fábricas e dos trens de ferro marcavam horas do cotidiano dos habitantes: a chegada do Caxiense ; o Operário, de manhã cedo, levava trabalhadores e estudantes a Porto Alegre e os trazia de volta à noitinha;o Noturno, ou Santa Maria, transportava gente que viajaria para as cidades da Fronteira ou , em Santa Maria, faria baldeação—como eram chamadas as conexões de hoje—para seguir, em outra locomotiva, em direção a outros estados, especialmente, São Paulo. Havia, além disso, o pontual sino da capela das Carmelitas a chamar para missas, desde às seis da manhã até às seis da tardinha. Durante a noite e pelas madrugadas , o guarda-noturno patrulhava as ruas e seus apitos, também, ocorriam em intervalos iguais.

As ruas eram tranquilas e bem cuidadas. Explico: o progresso do plástico não chegara para inundar ruas e calçadas; as pessoas compravam o necessário e os apelos ao supérfluo restringiam-se a propagandas em dois jornais e duas ou três revistas que atingiam apenas aos acostumados à leitura. A televisão era sonho, infelizmente, nem tão distante. Os cidadãos daquela cidade—bem como os de inúmeras outras—escutavam no rádio o Repórter Esso, através do qual sabiam o que acontecera no mundo há dois ou três dias e ouviam as manchetes locais, especialmente, notícias policiais, desastres, ações governamentais e esportes. As radionovelas , principalmente as das 8 e 9 horas da noite cativavam a audiência. O aparelho de rádio, a válvulas, colocado em ponto estratégico da sala, permitia trabalhos manuais, tarefas domésticas e voos da imaginação enquanto situações difíceis e/ou engraçadas adentravam a mente dos ouvintes.

 

O verão fazia dos adultos seres muito preguiçosos : só queriam saber de se abanar e de comentar como estava quente. Seus colegas de opinião, grudados às cadeiras, entoavam cantilenas sobre a falta de uma brisa sequer no mormaço sem fim. Outros discutiam previsões do tempo ouvidas no rádio, de acordo com a estação meteorológica de Antares e com o Instituto Coussirat Araújo, de Porto Alegre. Alguns desfiavam detalhes secretos de causos sobre mortos, viúvos e viúvas, ou novidades sobre idosos recentemente casados, ou amasiados, com alguma jovem que buscaram na Colônia ou que tiraram da Zona—área de luzes vermelhas destinada às mulheres da vida. Sobrava, ainda, tempo para lambancear sobre filhos bastardos—os mais idosos aplicavam-lhes o termo filhos da macega –e sobre quem eram os clientes dessas casas suspeitas, ou tocas da onça, como as chamava Vovô, lá do outro lado da Faixa Federal. Vira e mexe, largavam risadas sobre aquele baile…

O malfadado grande fato ocorrera num salão, na zona proibida, e costumava ser revisitado e engordado conforme a regra de quem conta um conto aumenta um ponto da vizinhança , em suas tranças sobre ventos e eventos de personagens da cidade. Era o Baile das Neves. A noitada acontecera num dos salões grenás das chinas—assim se referiam a elas—de roupas decotadas e justas de cetim, unhas longas e vermelhas, cabelos pretos, ou oxigenados, bem crespos e compridos, muito ruge nas faces pálidas, batom sangue nos lábios carnudos sobre os dentes podres, e lápis preto em pintas pelo rosto, nas sobrancelhas angulosas e nos contornos tortos dos olhos cansados. Essa era nossa—meninas entre oito e dez anos de idade—imagem delas através das descrições dos adultos.

E elas nos seduziam, com a mesma força de bruxas e fadas, pelo bizarro. Uma menina de um outro bairro contara à prima da prima de alguém de nossa turma que queria ser uma delas quando crescesse, porque eram tão lindas, sempre pintadas, prontas para o Carnaval. Falara que atravessaria a Faixa e nem levaria nada: compraria tudo novo nas lojas delas com as moedas de seu cofre da Caixa. Fugiria porque seus pais queriam que fosse normalista.

Nem minhas irmãs nem eu ousávamos verbalizar pensamentos sobre essas sirenas—Titia, outra vez—que conseguiam atrair otários. Às vezes, à noite, cruzávamos de carro, retornando com parentes de algum aniversário, geralmente em Novo Hamburgo, pela Zona. Esticávamos nosso olhar e virávamos o pescoço para acompanhar detalhes que nos auxiliariam a compor uma figura mais nítida daquilo que Vovô chamava de antros de perdição: as luzes vermelhas pelas portas e janelas e muito movimento na rua principal.

Uma tarde por semana, diziam, as mulheres da vida vinham ao centro. Cada mulher muito pintada que passasse pela nossa janela era uma delas, e ficávamos acompanhando-a até dobrar a esquina. Queríamos saber mais sobre elas, entretanto era impensável qualquer indagação, nem mesmo a Tia Ella. Ficaria apavorada com a pergunta e, sobretudo, com o que talvez soubéssemos sobre esse tema impróprio para crianças.

Bem, mas o Baile das Neves acontecera havia alguns verões e entrara para a história local. Os donos do salão e as mulheres que ali trabalhavam haviam enfeitado tudo com uma tonelada de algodão, numa imitação de neve. E era algodão sobre o oleado estampado de flores fenecidas nas mesas; sobre os crepons vermelhos que cobriam as lâmpadas pendentes do teto por fios elétricos engordados por excreções de gerações e gerações de moscas varejeiras; pelas cortinas de contas de vidro nas portas internas; pelas janelas e postigos que davam para a rua poeirenta; pelas palhas dos assentos das cadeiras engorduradas; pelo teto, em bandôs iguais aos das tendas dos haréns nos filmes das matinês; pelas centenas de folhas de coqueiros trazidas do Arroio da Manteiga; pelo palco de onde os músicos do regional tentavam espalhar tangos e boleros.

Pelas bordas da pista de danças de chão batido, a neve enredava-se nas rachaduras dos pés em saltos altos e por algumas esporas. E todos fumando muito, desde os músicos e garçons até as mulheres, com suas piteiras longas, e seus companheiros furtivos, com palheiros. E dança, risadas, bebedeira, jogatina e a atracação seguiam noite a dentro.

De repente, num dos quartinhos dos fundos, gritaram por socorro. No meio da zoeira total, só foram perceber que aquela fumaça não vinha apenas dos cigarros. Era um incêndio que já se alastrara pelo salão, engolindo algodão, crepons, palhas e as parte das roupas dos homens e mulheres do Baile das Neves.

Os bombeiros pouco puderam fazer pois, quando chegaram ao local, o telhado ruía sobre brasas do que sobrara do salão. Lá fora, mulheres eram levadas ao hospital para curativos, enquanto os homens fugiam, num salve-se quem puder, segundo Titia, para o outro lado da Faixa Federal.

No outro dia, no Café Central, frequentadores pontuais explicavam a amigos as gazes com mercúrio cromo, pomada e esparadrapo: tombos, atropelamentos, ataques de cães de rua ou coices de um animal da carroça de algum açougueiro ou padeiro, na madrugada. O mais difícil fora chegar em casa depois daquele serão na fábrica. Titia afirmava que as esposas apenas fingiram que acreditaram na história complicada. Alguns se cotizaram e conseguiram pagar para que o sinistro das Neves não aparecesse no Pau Bate, jornalzinho marrom da época. Entretanto, na calçada de nossa rua, todos sabiam quem tinha bailado lá, no meio daquele inferno de algodão.

Seu Ercílio, de pijama listrado e chinelos de couro fechados sobre os dedos, nosso vizinho da frente, ria e meneava a cabeça ao relembrar daquela confusão. Em seguida, como que para provocar novo rumo às conversas, apontava para o fim da rua e dizia: “Hoje, à tarde, estava carregado para os lados do Buraco da Fumaça. É água, na certa.”

Alguns anos mais tarde, seu Ercílio entrou para nossos mistérios ligados ao universo da riqueza de significado das palavras. O nome da estranha doença que o acometera era fogo selvagem. Fogo como o que derreteu o tal baile? Minhas irmãs e eu divagávamos, deitadas nos divãs do sótão, na hora do estudo, sobre os porquês de ‘fogo’ e de ‘selvagem’, sempre lembrando  das neves de algodão e daquelas labaredas no rótulo da garrafa de Fogo Paulista que Titia guardava, entre os livros de Tio Maarten, no armário de ébano do gabinete, logo à entrada de sua casa. Titia, como sempre, tomou a iniciativa, em almoço de domingo, à hora da sobremesa de arroz de leite, para comentar tal enfermidade a partir de leituras na Enciclopédia Jackson e na revista Vamos Ler.

O nome legítimo desse terrível mal é pênfigo foliáceo e nem mesmo os mais notáveis especialistas sabem qual sua etiologia. Os sintomas da moléstia começam por bolhas no tórax que vão, impassivelmente, se alastrando e invadindo todo o corpo do indivíduo, até que toda a pele pareça uma grande queimadura. E as bolhas não param nunca de sair. Quando uma parece que vai cicatrizar, mais meia dúzia de pequenos vulcões aparecem em outros pontos. E as pústulas, como na varíola preta, estão lá para sempre. O nome ‘fogo selvagem’ vem , não só das arranhaduras e feridas, mas da febre eterna. A pessoa acaba consumida pela doença e pelo estado geral de depauperação física.”

Vovó logo empurrou a tigelinha de vidro rosa com o doce salpicado de canela e recolheu a jarra de limonada da mesa, enquanto Titia serviu-se de uma segunda dose. Nós nos olhávamos e depois examinávamos o doce: a crosta de canela com açúcar, que nos atraíra inicialmente, perdera seu apelo, parecia uma casca de ferida!

E, em muitas outras ocasiões, ouviríamos descrições das chagas, dores, ardências , queimações e tratamentos—um , inclusive , com piche—do vizinho, tão bondoso e calmo que passava muitas tardes à janela, com sua mulher, a contemplar o movimento . Numa noite de minuano, deixou-se consumir pela última labareda daquele fogo fundo.

Titia, debruçada sobre sua almofada, no janelão da frente de nossa casa—defronte às janelas tristes de seu Ercílio—matutou, em voz profética : “O mundo vai acabar e será , ouçam bem, por combustão. Chamas nunca vistas, ou sentidas, consumirão tudo e todos…

Ficamos perdidas entre as possibilidades da palavra fogo: a da bebida de queimar a garganta; a de doença, como a que abrasou em chagas o corpo de seu Ercílio; a das labaredas altas do Baile das Neves. E, agora, mais a do fim de tudo…

 

Nota: Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência.

Ilustração by Mausilinda

BEHIND BARS

 

IMG_7496

 

I long for days of plain things:

chairs on sidewalks

strolls along the streets

playing in the park

opening and closing

a wooden door…

Relentlessly they catch us:

sidewalks

streets

park

the iron-fenced door…

Villains go unbound:

thieves

robbers

rapists

murderers

representatives…

Corruption deprives us

schools

health

highways

safety…

Where is virtue hidden?

Why do wolves wear shields?

They twist Humans Rights:

                                 La raison du plus fort est toujours la meilleure (1).

And sheep must accept fangs…

What country is this?

Children mugged

killed

for a pair of tennis shoes!

Girls and boys

Teens and adults

robbed

violated

shot !

Buses set ablaze

Out of savagery!

Democracy?

 

I pulse for PEACE:

chairs on sidewalks

strolls along the streets

playing in the park

opening and closing

a shaky door…

 

[1] Jean de la Fontaine. Le Loup et l’ Agneau in Les Fables-Livre 1.

 

Poem by Marli Merker Moreira published in The Poetic Bond V, T. Maynard (Editor), Willowdown Books, UK, 2015, ISBN 978-1517783808.

Photo by Mausilinda.